(FUVEST-2013) O que acontece quando a gente se vê duplicado na televisão? (…) Aprendemos não só durante os anos de formação mas também na prática a lidar com nós mesmos com esse “eu” duplo. E, mais tarde, (…) em 1974, ainda detido para averiguação na penitenciária de Colônia-Ossendorf, quando me foi atendida, sem problemas, a solicitação de um aparelho de televisão na cela, apenas durante o período da Copa do Mundo, os acontecimentos na tela me dividiram em vários sentidos. Não quando os poloneses jogaram uma partida fantástica sob uma chuva torrencial, não quando a partida contra a Austrália foi vitoriosa e houve um empate contra o Chile, aconteceu quando a Alemanha jogou contra a Alemanha. Torcer para quem? Eu ou eu torci para quem? Para que lado vibrar? Qual Alemanha venceu?

Gunter Grass. Meu século. Rio de Janeiro: Record, 2000, p. 237. Adaptado.

O trecho acima, extraído de uma obra literária, alude a um acontecimento diretamente relacionado

a) à política nazista de fomento aos esportes considerados “arianos” na Alemanha.

b) ao aumento da criminalidade na Alemanha, com o fim da Segunda Guerra Mundial.

c) à Guerra Fria e à divisão política da Alemanha em duas partes, a “ocidental” e a “oriental”.

d) ao recente aumento da população de imigrantes na Alemanha e reforço de sentimentos xenófobos.

e) ao caráter despolitizado dos esportes em um contexto de capitalismo globalizado.