(ENEM-2010)

 De fato, que alternativa restava aos portugueses, ao se verem diante de uma mata virgem e necessitando de terra para cultivo, a não ser derrubar a mata e atear-lhe fogo? Seria, pois, injusto reprová-los por terem começado dessa maneira. Todavia, podemos culpar os seus descendentes, e com razão, por continuarem a queimar as florestas quando há agora, no início do século XIX, tanta terra limpa e pronta para o cultivo à sua disposição.

SAINT-HILAIRE, A. Viagem às nascentes do rio S. Francisco [1847]. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1975 (adaptado).

No texto, há informações sobre a prática da queimada em diferentes períodos da história do Brasil. Segundo a análise apresentada, os portugueses

 a)    evitaram emitir juízo de valor sobre a prática da queimada.

b)    consideraram que a queimada era necessária em certas circunstâncias.

c)    concordaram quanto à queimada ter sido uma prática agrícola insuficiente.

d)    entenderam que a queimada era uma prática necessária no início do séc. XIX.

e)    relacionaram a queimada ao descaso dos agricultores da época com a terra.