O Estado Islâmico, também conhecido como ISIS ou EI, foi criado a partir da Al-Qaeda, responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001. A organização segue uma leitura radical das escrituras islâmicas e a lei islâmica é seguida de forma rígida, havendo, por exemplo, práticas de decapitação de inimigos e pena de morte a homossexuais. Também é usada a violência contra muçulmanos xiitas, outros sunitas, pois fazem parte dessa divisão dentro do islã  e não islâmicos. principalmente cristãos.

O grupo, que tem como objetivo expandir seu califado* por todo o Oriente Médio e estabelecer contatos no resto do mundo para que possam ganhar autoridade através do terror e de ataques terroristas, está ganhando cada vez mais espaço, conseguindo recentemente expandir seu controle na Líbia, mas, apesar dessa ascensão, há a presença de exércitos estrangeiros no país. Ele se estende até o norte da Síria passando por grande parte do norte e oeste do Iraque.

Com a ascensão do Estado Islâmico na Líbia, é possível que haja um aumento de seguidores, já que ele espalha uma visão nacionalista e se mostra poderoso contra a intervenção estrangeira. A presença do grupo também pode aumentar a polarização, já que existe a probabilidade de aumentar o nível de interferência internacional e regional

*Califado: sistema de governo baseado em sucessão. O califa é o sucessor do profeta Maomé, que morreu em 632, e tem o poder de aplicar a lei islâmica (sharia) na terra do Islã.