Monica de Bolle, Washington, 15/03/2016.

Lembram-se daquela cena antológica do filme “Argo”, em que a CIA apresenta às autoridades americanas os planos para resgatar os membros da embaixada sitiada no Irã? Perguntam as autoridades a um sóbrio Ben Affleck: “Is this the best bad idea that you have”? (“Essa é a melhor má ideia de vocês?”). Responde a CIA: “Yes sir, this is the best bad idea that we have. By far” (“Sim, Senhor. Essa é a melhor má ideia que temos. De longe”). Pois bem, Lula, futuro ministro de Minha Casa Civil, Minha Vida, aquele que deveria estar vendo o sol nascer quadrado em Curitiba, conseguiu uma proeza. Alardeia para todos os lados, na boca de Wagner fiel, a pior má ideia, a estupidez mais estúpida. Vamos vender as reservas do País para reduzir a dívida.
Oi? Lula, Ministro? Vender reservas?
Pois, vejam só. O clichê recorrente, aquele que diz que o Brasil é melhor do que a série de TV House of Cards, está errado. House of Cards tem roteiro. Argo tinha roteiro – a melhor má ideia deu certo. A pior má ideia, a estupidez mais estúpida, está fadada ao fracasso. Fosse apenas isso, diriam os cínicos, tudo bem. Lula afundará na soberba estúpida e Dilma chafurdará para todo o sempre no lamaçal de sandices por ela cometidas enquanto Presidente da República. Mas, não é tão simples. A Estupidez Mais Estúpida levará o Brasil a ter o que até hoje conseguiu evitar: uma crise financeira aguda.
Reservas não são aquela poupançazinha para ser usada em momentos de desespero. Reservas são um seguro – seguro contra incêndios. Usá-las para pagar a dívida significa deixar minha casa, minha vida sem seguro para incêndios. Investidores, locais ou estrangeiros, não são estúpidos. Se enxergarem fumaça, correm para a porta de saída. Que fará Lula, então? O Superministro trancará a porta de saída, erguerá barreiras à saída de recursos para que todos voltemos biblicamente ao pó?
Ah, mas a dívida é em moeda local… Sim, mas 25% dela está nas mãos de estrangeiros que não haverão de querer moeda de cunho niilista. Vão querer converter os rendimentos em reais de seus investimentos em dólares, doletas, verdinhas.
Que venha, Superministro. Queime o que sobrou do País com a Estupidez mais Estúpida. Faça então como os Romanos descritos por Tacitus, brade em alto e bom som: “Transformamos tudo em deserto e chamamos de paz”. Aos que continuam a aplaudi-lo, é a areia que os espera.
Para nós que assistimos atônitos, eles passarão. Nós, sempre passarinho.